DSpace Repository

Prevalência de uso de benzodiazepínicos em idosos e fatores associados

Show simple item record

dc.contributor.advisor1 Leite, Isabel Cristina Gonçalves
dc.contributor.advisor1Lattes http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4792860P7 pt_BR
dc.contributor.referee1 Banhato, Eliane Ferreira Carvalho
dc.contributor.referee1Lattes http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4753554Z9 pt_BR
dc.contributor.referee2 Silvério, Marcelo Silva
dc.contributor.referee2Lattes http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4773868H0 pt_BR
dc.creator Alvim, Mariana Macedo
dc.creator.Lattes http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4439232Y9 pt_BR
dc.date.accessioned 2017-03-10T14:33:58Z
dc.date.available 2017-03-09
dc.date.available 2017-03-10T14:33:58Z
dc.date.issued 2016-12-08
dc.identifier.uri https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/3618
dc.description.abstract The aging process is associated with higher susceptibility to chronic diseases, disabilities, psychosocial problems and comorbidities. Medications are part of most therapeutic approaches, conducing elderly to use more drugs than other age groups in society. Among the most used drugs by elderly, it emphasizes the use of benzodiazepines. Adverse effects of benzodiazepines in elderly are well established, such as sleep disturbance, cognitive impairment, impairment in activities of daily living, increases in rates of accident, falls and fractures. This study aims to assess the prevalence, factors associated with the use of benzodiazepines in elderly and potential drug interactions. This is a cross-sectional study, conducted through a household survey with 423 elderly residents in the North Zone of Juiz de Fora, MG. Collection of data was done in domicile of the elderly, between September 2014 and March 2015. The dependent variable was chronic use of benzodiazepines. The chi-square test was used in the bivariate analysis to determine the association between each independent variables and the dependent variable. In multivariate analysis, the Poisson regression model was used, based on the theoretical model of determination with hierarchical blocks. The variables were adjusted within each block, remaining in the final model to those with 5% significance level. The search and classification of potential drug interactions was carried out using the Micromedex® system. Regarding drug therapy, 92.0% of older adults used at least one chronic use of medication. Of these, 48.4% were used five or more drugs, characterized polypharmacy. The prevalence of benzodiazepine use was 18.3% (95% CI 15.2-22.6). The majority of the benzodiazepines used have a long elimination half-live (59.2%) and the duration of benzodiaepine use was considered long in 85.5% of the users. Among the users of benzodiazepines, 38.4% also used antidepressants. The use of benzodiazepines was associated to the presence of mental and behavioral disorders, polypharmacy and medical visits in the last three months. Among the users of benzodiazepines, 69.9% had at least one potential drug interaction. Of these interactions, 15.9% were related to benzodiazepines. In the elderly who use benzodiazepines, polypharmacy was high in the elderly who use benzodiazepines, including interactions of highly significant clinical value. The prescription in the elderly, as well as long-term use, should be evaluated individually, considering the physiological changes of the elderly and the adverse effects of drugs, and the risk of drug interactions. pt_BR
dc.description.resumo O processo de envelhecimento está associado ao aumento da susceptibilidade a doenças crônicas, incapacidades, problemas psicossociais e comorbidades. Os medicamentos são parte integrante da maioria das propostas terapêuticas, colocando os idosos no grupo etário mais medicalizado da sociedade. Entre os medicamentos utilizados pelos idosos, ressalta-se o uso de benzodiazepínicos. Efeitos adversos dos benzodiazepínicos em idosos são bem estabelecidos, como perturbação do sono, dificuldade cognitiva, prejuízo nas atividades de vida diária, aumento das taxas de acidentes, quedas e fraturas. O presente estudo tem por objetivo avaliar a prevalência, os fatores associados ao uso de benzodiazepínicos em idosos e as interações medicamentosas potenciais. Estudo transversal, realizado por meio de inquérito domiciliar, com 423 idosos residentes na região da Zona Norte da cidade de Juiz de Fora, MG. A coleta de dados foi realizada no domicílio dos idosos, entre setembro de 2014 e março de 2015. A variável dependente foi o uso contínuo de benzodiazepínicos. O teste Qui-quadrado foi utilizado na análise bivariada para verificar a associação entre cada uma das variáveis independentes com a variável dependente. Na análise multivariada, foi utilizado o modelo de regressão de Poisson, baseado no modelo teórico de determinação com blocos hierarquizados. As variáveis foram ajustadas dentro de cada bloco, permanecendo no modelo final aquelas com nível de significância de 5%. A busca e a classificação das interações medicamentosas potenciais foram realizadas com base no sistema Micromedex®. Em relação à terapia farmacológica, 92,0% dos idosos utilizavam pelo menos um medicamento de uso crônico. Destes, 48,4% faziam uso de cinco ou mais medicamentos, caracterizando polifarmácia. A prevalência de uso de benzodiazepínicos foi de 18,3% (IC95% 15,2-22,6). A maioria dos benzodiazepínicos utilizados possui meia vida de eliminação longa (59,2%) e o tempo de uso foi considerado prolongado em 85,5% dos usuários. Dentre os usuários de benzodiazepínicos, 38,4% também utilizavam antidepressivos. O uso de benzodiazepínicos se mostrou associado à presença de transtornos mentais e comportamentais, polifarmácia e realização de consulta médica nos últimos três meses. Dentre os usuários de benzodiazepínicos, 69,9% apresentaram pelo menos uma interação medicamentosa potencial. Destas interações, 15,9% foram relacionadas aos benzodiazepínicos. Nos idosos que usam benzodiazepínicos, a polifarmácia esteve associada à interação medicamentosa potencial. A ocorrência de interações medicamentosas potenciais foi alta em idosos que utilizavam benzodiazepínicos, incluindo interações de valor clínico altamente significativo. A prescrição em idosos, assim como o uso prolongado, devem ser avaliados de forma individualizada, considerando as alterações fisiológicas dos idosos e os efeitos adversos dos medicamentos, assim como o risco de interações medicamentosas. pt_BR
dc.description.sponsorship CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior pt_BR
dc.language por pt_BR
dc.publisher Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) pt_BR
dc.publisher.country Brasil pt_BR
dc.publisher.department Faculdade de Medicina pt_BR
dc.publisher.program Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva pt_BR
dc.publisher.initials UFJF pt_BR
dc.rights Acesso Aberto pt_BR
dc.subject Envelhecimento pt_BR
dc.subject Medicalização pt_BR
dc.subject Saúde do idoso pt_BR
dc.subject Uso de medicamentos pt_BR
dc.subject Aging pt_BR
dc.subject Medicalization pt_BR
dc.subject Health of the elderly pt_BR
dc.subject Drug Utilization pt_BR
dc.subject.cnpq CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::SAUDE COLETIVA pt_BR
dc.title Prevalência de uso de benzodiazepínicos em idosos e fatores associados pt_BR
dc.type Dissertação pt_BR


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record